fbpx

Três Tambores – problemas e soluções 2

Briga no giro?

 

Cenário

Vocês entram no giro do tambor e ele briga, sacode a cabeça enquanto vira.

Tenha certeza, algo está errado, seu cavalo não deveria sacudir a cabeça ou jogá-la para cima. Enquanto algo o incomoda, não trabalha como poderia e a sua prova certamente fica prejudicada, além de correr o risco de ter um cavalo nervoso demais ou que se negue a entrar no tambor.

 

Por que não dá certo?

 

  1. Os giros precisam ser fluídos, consistentes e rápidos para que a sua prova dê um bom tempo.
  2. Se o seu cavalo briga, é porque algo não está bem. Provavelmente um incomodo dolorido ou o excesso de limitação de seus movimentos.
  3. Se você pretende baixar alguns milésimos na sua prova, não pode haver nada que obstrua a movimentação do seu cavalo e o seu foco. Se algo o incomoda, ele está com a atenção voltada para isso e não e no trabalho que deveria executar.
  4. Se o seu cavalo briga na maioria das vezes em que passa no tambor, não será uma surpresa se um dia passar a se negar a virá-lo ou a entrar em pista. No mínimo ele se tornará um cavalo extremamente nervoso e desfocado. Imagine se todas as vezes em que você for trocar a marcha do seu carro você leve um choque. Com certeza logo passará a não tocar na alavanca do câmbio.

 

Solução

 

  • Verifique com seu veterinário as condições dos dentes do seu cavalo. Pontas de dentes podem se chocar com a embocadura e causar dor.
  • Você usa gamarra? Então, repare se não está presa demais. A focinheira da gamarra fica em uma região bastante sensível da face do seu cavalo. Usá-la justa não vai ajudar você no seu tambor. Ao contrário, prejudicará o desempenho do seu cavalo e ensinará a ele que os giros são locais dos quais ele deve fugir. Além disso, uma gamarra justa impede que seu cavalo estique o pescoço para acionar os músculos do engajamento transferindo a tração para os posteriores. Há muito tempo caiu por terra a teoria de que os cavalos precisam estar com a cabeça colocada para engajar, reunir e usar os posteriores!

 

Melhore sempre

 

  • Filme a sua passada e veja se você não está acionado demais as rédeas, puxando-as para cima ou acionado a rédea de fora. A pressão excessiva da embocadura, erguer a mão e puxar a rédea de fora nos giros atrapalham a movimentação do seu cavalo e ainda causam um grande incomodo em sua boca. Lembre-se de que a boca dele possui muitas terminações nervosas e é extremamente sensível.
  • Experimente uma embocadura que se ajuste a vocês. Se o seu cavalo masca a embocadura ou abre a boca com ela, sugiro que use algo que o deixe mais acomodado. Não queremos que a atenção dele esteja na boca e sim no percurso. Se a sua mão é leve você pode usar alguma perna, mas se for pesada use algo que reduza a transferência de força entre a sua mão e a boca do seu cavalo.
  • Se você ergue a mão nos giros, treine o seu assento, pois a falta de firmeza faz com que levantemos a mão e usemos as rédeas como apoio.
  • Se você aciona a rédea de fora, acerte o comprimento dela e fique atento para não puxar demais nos giros ou para não segurar no local errado acionando a de fora enquanto indica o giro para dentro.
  • Montar com as rédeas presas não traz benefício algum para o desempenho do seu cavalo. Se você não se sente confiante em deixar que ele corra e vire mais solto, treine a sua mente para se arriscar mais e dar condições de seu cavalo ser mais rápido.

 

Cavaleiros mais confiantes + cavalos mais independentes = maior performance

 

Desde que iniciei o Três Giros, ressalto a importância de melhorar a equitação e construir cavalos mais independentes e poderosos. Isso gera mais performance.

A qualidade da sua equitação proporcionará mais foco e ações mais precisas.

 

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.