fbpx

Embocaduras para os três tambores

As embocaduras são ferramentas de ajuda para treinamento

Saiba um pouco mais a respeito das embocaduras para os três tambores.

 

Uma embocadura suave

  1. Verifique os requisitos para a sua modalidade. A maioria das competições de exibição de cavalo proíbe o uso de certas embocaduras. Mesmo se você não participar de eventos, obedecer a uma dessas listas não é uma má ideia. Essas embocaduras geralmente são proibidas devido à dor que causam no cavalo.
  2. Comece com um bridão simples. Um bridão simples é uma opção leve e muito utilizada, que aplica apenas a mesma pressão que é usada quando se puxa. Sempre comece com um bridão de argola ou D, e tente os bits mais fortes apenas se o cavalo for difícil de controlar.

 

•Escolha a forma da argola. As opções comuns são as argolas em D e argolas que são livres para rodar no lugar. A melhor maneira de escolher é experimentar ambos, sentir a diferença de controle e ver como seu cavalo reage. Faça sua decisão com base na preferência do seu cavalo. Se você não puder experimentar antes de comprar, opte pelo bridão D, que tende a ser menos severo do que qualquer outra embocadura.

•Os bridões simples vêm com uma variedade de bocais também. Um bocal liso e articulado é uma boa opção para a maioria dos cavaleiros, mas existem outras opções. Aqui estão alguns fatores a ter em mente: Os bocais revestidos de borracha ou de plástico são mais suaves do que uma barra de metal nua. Os bocais de fio torcido são os mais severos, e só devem ser usados por instrutores experientes. Bocais mais finos são geralmente mais propensos a cortar a boca do cavalo ou causar dor e precisam ser usados com conhecimento.

 

Verifique o conforto do bocal.

Confirme se o bocal está confortável com os seguintes testes: certifique-se de que os anéis ou conexões metálicas nos cantos da boca não puxem o tecido labial do cavalo. Se você não tem certeza, coloque o lado do dedo ao lado da junção do anel / barra.

Gire o anel e veja se puxa seu próprio dedo (o que é mais difícil de comprimir do que os tecidos moles). A articulação no meio de um bridão também pode beliscar. Se você tem esse tipo de bridão, teste isso também no lado do dedo. Verifique se o centro do bridão (na articulação) atinge o céu da boca do cavalo.

A maioria dos cavalos inquietos, que balançam a cabeça ou jogam a cabeça para cima, ficam assim porque a articulação do bridão está batendo no céu da boca deles. Uma área muito sensível. Neste caso, mude para um bocal com articulação dupla (com aqueles ossinhos no centro ou rolinhos giratórios) que ficam mais liso na língua e permitem uma maior amplitude de movimento.

 

Embocaduras mais pesadas

Decida se uma embocadura mais pesada é realmente apropriada.

Sempre treine o cavalo com um bridão simples e suave antes de passar para uma opção mais severa. Embocaduras mais fortes podem fornecer mais controle, o que pode parecer útil para as competições.

Alguns cavalos mais quentes demoram a parar com uma embocadura leve. Porém, o importante é o treinamento. Acionar demais a boca do cavalo pode ser muito ruim quando a sua mão não é treinada para ser leve e suave. Inclusive, pode fazer com que seu cavalo reduza demais ou brigue na entrada dos giros. E vai acabar piorando a sua prova.

Analise as características do seu cavalo e as suas características antes de fazer esta opção. E lembre-se de que o treinamento é que faz o cavalo. As embocaduras são apenas ferramentas para auxiliar.

 

•Considere a sua própria capacidade de condução. Os cavaleiros principiantes são mais propensos a prejudicar o cavalo com um bocal mais severo. Você deve ser experiente antes de tentar usar um desses. Mesmo assim, pesquise e peça ajuda para escolher uma nova embocadura. Muitas vezes será necessário adaptar o seu trabalho em pista para que adaptar ao novo bocal.

•Existem muitas variações de embocaduras, e talvez seja necessário tentar vários para encontrar uma que dê a ajuda esperada. Na Inglaterra os competidores utilizam somente bridões simples, mudando somente o tipo de bocal. Por aqui os competidores costumam usar freios de diferentes tipos, como freios bridão. Estes possuem um sistema de alavancagem que aumenta a pressão exercida sobre a boca do cavalo.

 

Treine o cavalo sem nada na boca.

 

A equitação sem embocadura é cada vez mais popular, embora ainda não seja legal na maioria das competições. Mesmo que você use um bridão severo ou um freio, pense em não usar nada ocasionalmente. Isto irá melhorar a sua equitação e a resposta do seu cavalo.

Pense em aprender a se comunicar mais usando o assento e a postura de seu corpo. Isso pode até resolver alguns problemas comportamentais, já que muitos cavalos se acalmam quando a boca não está mais sob pressão.

A equitação sem bocal é permitida na maioria das competições de salto, polo e enduro. Pense em usar um hackmore, pelo menos em boa parte do tempo em que montar.

 

Embocaduras para os três tambores – por Jolee Lautaret e Danyelle Campbell

Bits por Jolee Lautaret

•Uso diferentes tipos de embocaduras. Começo com o básico bridão de argola e então ajusto para um com pernas regulares e bocais mais fortes conforme necessário e de acordo com o progresso do cavalo no treinamento. Meus favoritos são as versões de bocal mais grosso e torcido com ossinho no meio (ou bocais de três peças). Estes não são tão bravos na boca do cavalo, mas funcionam para uma levantada e controle.

•Uso diferentes tamanhos de pernas, dependendo de quão pesado é o cavalo, e uma pequena mordaça, pois tenho a mão leve e sei que as vezes preciso de uma resposta rápida quando necessário.

•Trabalho constantemente para manter meus cavalos com o mínimo de ação necessária para fazer o trabalho, seja no tambor ou laço.

•As vezes, ao invés de partir para um bridão mais pesado, coloco o cavalo no redondel com um bridão ou um short shank bar bit (foto abaixo – bocal reto) e deixo que ele trabalhe contra si mesmo. Também uso bastante as rédeas auxiliares em cavalos mais jovens. O objetivo de tudo isso é ter um cavalo que responda rapidamente ao que peço que faça.

•Uma vez que uso adestramento em meu treinamento, os bridões são a melhor embocadura para usar. Eles aprenderão a usar o freio como uma ajuda, ao invés do foco, em qualquer exercício, ou no percurso do tambor.

•Também tenho alguns levantadores com bocal de corrente que uso ocasionalmente. Em raras situações com cavalos prontos ou problemáticos que tenham a boca pesada, posso usar um freio de barras retas ou um pretzel port bit.

Danyelle Campbell

Eu acho muito difícil escolher um freio favorito. Como a maioria dos treinadores de tambor, tenho um arsenal de freios e estou sempre comprando novos, ansiosa para ver como funcionam em diferentes animais.

Eu passo por fases que uso o mesmo freio em quase todos os cavalos, todo dia. Para escolher meus 5 favoritos, tenho que escolher aqueles que eu sempre volto a usar como o Mullen mouth (bocal fixo curvado, geralmente feito de material flexível); suas funções são tantas que para mim é um must-have.

Adoro, também, o bridão de argola ou D e tenho vários deles. Acho que qualquer pessoa do cavalo tem que ter ótimos freios e rédeas abertas em suas tralhas. Eu tenho cerca de 10, todos com diferentes embocaduras e nível de sensibilidade.

Eu não tenho um freio preferido para competir. Neste momento todos meus cavalos estão correndo com diferentes freios. Dito isso, segue uma lista dos freios e bridões que eu sempre tenho a mão e que levo em todas as minhas clínicas.

 

IMPORTANTE LEMBRAR:

Estas duas treinadoras/competidoras são adeptas dos fundamentos de treinamento onde as ajudas nas rédeas são mínimas, porque priorizam o adestramento e o aprendizado de seus cavalos.

Portanto, quando utilizam alguma ferramenta mais severa, fazem porque naturalmente possuem as mãos suaves e muito menos ativas que as dos brasileiros.

Elas não precisam pensar para ser suaves, isso é natural para elas, e todas as suas ações com os cavalos priorizam a conexão entre eles e não o domínio.

 

Quando pensar em escolher embocaduras para os três tambores, pense em uma ferramenta de ajuda para maior conexão e não uma ferramenta para subjugar seu cavalo.

 

  • Jolee Lautaret se classificou 3 vezes para a NFR, se classificou 7vezes para as finais do circuito e classificou 4 vezes para a Dodge National Circuit Finals Rodeo. Ela se classificou 10 vezes para WPRA World Finals em team roping, breakaway e laço de bezerro.
  • Danyelle Campbell é uma garota do sul da Califórnia. Ela cresceu andando e correndo de motos em uma família que não tem interesse em cavalos. Apesar da falta de conhecimento da sua família na sua profissão, Campbell deve a eles sua grande ética profissional e valores. Ela se classificou 2 vezes para NFR e para a Canadian Finals Rodeo.

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.